Daphne gnidium L.

TROVISCO

 

Família: Thymelaeaceae

 

Outros nomes vulgares: trovisco-fêmea, erva-de-joão-pires, gorreiro, lauréola-macha, mezereão-menor, trovisqueira, matapulgas.

 

Características gerais: Arbusto com cerca de 2 m de altura, muito ramificado, com os ramos patentes, rígidos mas flexíveis,  formando copa arredondada. As folhas dispõem-se de forma alternada umas em relação às outras, são lineares a linear-oblanceoladasacuminadas, atenuadas na base, persistentes, coriáceas, nuas e ponteadas na página abaxial. As inflorescências encontram-se em posições  terminais, são paniculadas, possuem várias flores (10 a 60) e são constituídas por um racimo apical, desprovido de brácteas e por vários racimos axilares aquando da frutificação. Os racimos são todos inicialmente semelhantes a corimbos, até atingirem 4 cm de comprimento na frutificação. As flores são praticamente sésseis. O hipanto é pouco persistente, com pêlos adpresos e densos por fora. As sépalas são ovadas, obtusas, puberulentas por fora e de cor creme. O fruto é carnudo, globoso, ligeiramente pubescente e de cor roxo brilhante. Possui um única semente ovóide e atenuada apicamente.

 

Floração: Junho a Outubro.

 

Habitat: Azinhais, sobreirais, carrascais e matas de substituição, em especial devido a incêndios.

 

Distribuição: Presente em todas as regiões de Portugal continental.

 

Propriedades medicinais: Do trovisco apenas é utilizada a cortiça e em doses muito reduzidas. Trata-se de uma planta tóxica, mas que nas doses apropriadas possui um efeito laxante. Recomenda-se o seu uso apenas em caso de prescrição médica.